Sofro de opinião crónica. Felizmente só me acontece uma vez por semana. (Este anacrónico cronista crónico escreve de acordo com um desacordo com o novo acordo ortográfico) SAI AOS DOMINGOS!
02 de Dezembro de 2012

- Todos os animais deverão imediatamente juntar-se no coração da Floresta! A reunião... - era urgente, explicava o rato, mensageiro daquelas partes: o leão ia falar sobre um assunto gravíssimo!

O espanto era geral. Que tema poderia dar azo a tanta azáfama? Estaria a Floresta à beira da catástrofe? Caíra um meteorito? Detectaram-se movimentos na placa tectónica? O rio transbordou? O rato do campo não avançou notícias e o da cidade que depois se lhe juntou era demaisado sisudo e oficial para adiantar o que quer que fosse; mas trazia debaixo do braço um grande livro de decretos.

 

O pinguim e a tartaruga dos Galápagos foram os últimos a chegar.

 

- O que é isto, - perguntou a lontra, curiosa e desconfiada - uma Assembelia Mundial? Se o não for, nao os quero cá; se o for, quero saber porquê... Isto é altamente irregular!

Mas um rugido estrondoso deu-lhe outro ponto de vista. Verificando porfim o plenário e o silêncio, constatando que havia quorum que acatesse o seu dictum, o leão princípiou a exposição dos factos:

 

- Meus amigos, antes de mais, muito obrigado por estarem aqui, que sei que muito vos transtorna. O motivo por que vos convoco é apenas este: estamos em crise.

 

- Ooooooooooooooooooooooooohhhh!! - fizeram todos.

 

- Virgem Formiga! - gritou a Formiga Ruiva, - Queimaram-se as minhas provisões!

 

- Em crise! - guinchou a cegonha.

 

- Está a acabar-se a areia? - perguntou o camelo.

 

- Não há bananas? - perguntou o macaco.

 

- Perdeu-se o milho? - perguntaram os corvos.

 

- Já não há gomas?! - sondou uma texuga angustiada.

 

- Gomas?! - inquiriu uma estranheza colectiva.

 

- Ahhhh... Uhhhh... Hum... Pois... quero dizer... gomos!, gomos! Quis dizer gomos!... Que é o que eu chamo aos pinhões....

 

- Mas os texugos não comem pinhões! - Desconfiou mais a lontra, que desconfiava de tudo.

 

- Eu como! - reorquiu a texuga, querendo acabar com a conversa - e tenho o direito de comer o que eu quiser! Ora já viram isto? Humpf!

 

- Silêncio! - gritavam o ratos, tentanto instaurar a ordem - Silêncio! O Rei Leão vai falar!

A contragosto, a Assembleia calou-se.

 

- Como vos dizia, meus amigos - prosseguiu o leão com ar pesado, - estamos em crise... As circunstâncias, as componentes, a conjectura, e infrastructura, a compustura agora descomposta, as dívidas de boa vontade, os juros de perdão de quando não vos comi e podia, enfim... A verdade é que tenho andado com fome...

 

- Ooooooooooooooooooohhhhhhhhhhhhhhhhhh!! - fizeram todos.

 

- Sim, - continuou o leão - tenho andado mesmo esfomeado. E porque as vossas simpáticas oferendas, sendo boas, não são suficientes, vejo-me forçado, perante os roncos miseráveis do meu estômago, a deglutir-vos, meus amigos, pouco a pouco...

 

- Ooooooooooooooooooohhhhhhhhhhhhhhhhhh!! - fizeram todos.

 

- A começar, - prosseguiu - já hoje pelo meu almoço...

 

- Então e como planeias fazer isso?, - perguntou o urso, já a afiar as garras, esperando vender cara a pele.

 

- Ah, não te inquites, meu irmão, que o farei de uma forma muito democrática. Começamos por ir a votos, e depois, se for preciso, sorteamos...

 

- Então e como vamos votar? - perguntou o alce.

 

- Levantamos a pata - respondeu o leão.

 

- Levantamos a pata a quê? Quem diz o nome de um animal? -, quis saber o búfalo.

 

- E quem não tem pata?, - perguntou o robalo.

 

- Aí eu lavo as minhas patas, - esquivou-se logo o leão, - não quero incriminar nenhum dos meus camaradas, nem aceito que depois me incriminem, sob pena de lhes mover um processo... capital...

 

- Mas alguém tem de apontar alguém, se não ninguém se acusa! Como é que fazemos isto?!

 

- Só sei que nada sei! - retorquiu o leão.

 

- Meu Deus, estamos perdidos! - exclamou o cavalo, com ar preocupado.

 

- Que foi?, que foi? - O coelho, a zebra, o cão, o pintassilgo, vários bichos, já, se lhe juntavam, procurando entender tão grave revelação.

 

- Este tipo julga que é o Sócrates. Ou pior ainda, o Passos Coelho!

Em vez de se unirem contra o leão, os animais acharam mais prudente votar uns contra os outros.

Os felinos, os répteis, os insectos e os porcos, vendo o rumo das coisas, tomaram logo o partido do leão e puseram-se a seu lado. Disseram uns quantos nomes, que mais ou menos sortearam e tiveram um banquete farto. A Floresta vai encolhendo e empobrecendo, mas há uns bichos que engordam. A crise de uns é  sempre a festa de outros, isto está claro. Não há crise em mundo algum que não seja intencionalmente provocada. Repito: intencionalmente provocada.

publicado por Miguel João Ferreira às 13:24
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais opiniões
pesquisar neste blog
 
últ.imas opiniões
tens razão beatriz. roubar uma crónica para invent...
em primeiro lugar, agradeço imenso mais uma vez po...
É uma obra de referência da banda desenhada. A tra...
Fiquei cheia de curiosidade de conhecer o Nemo e o...
blogs SAPO